Decoração cresce com a retoma do setor imobiliário português

Decoração e Design
Posté par Inês ALMEIDA Il y a 4 Mois
Catégories :
Imobiliário Portugal

O crescimento do turismo em Portugal contribuiu para a retoma do setor imobiliário e também da decoração

 

O setor da decoração e design de interiores tem acompanhado a retoma que se faz sentir no setor imobiliário em Portugal, com aumentos de atividade registados pelas empresas desde 2014. Um dos motivos que levou a esta retoma no setor é o crescimento do turismo em Portugal e o maior número de estrangeiros que cada vez mais opta por este país como destino de férias, o que faz com que a hotelaria e o alojamento local tenham crescido e, consequentemente, contribuído para a prosperidade do negócio de decoração de interiores.

 

Há uma diferença entre decoração e design de interiores que importa sublinhar. A decoração só atua ao nível do preenchimento do espaço, que já se encontra finalizado. O design de interiores, por outro lado, é mais complexo e trata-se do desenvolvimento total ou parcial do interior das casas e pode definir acabamentos, pinturas, revestimentos, designe de cozinhas e casas-de-banho e a conceção do espaço no geral. Muitas empresas e ateliers dedicam-se simultaneamente à decoração e ao design de interiores.

 

“O negócio da decoração e do design de interiores move-se um ou dois anos depois do imobiliário, ou seja, quando este começa a cair, sabemos que em dois anos teremos caído na mesma proporção”, explica Pedro d’Orey, sócio da QuartoSala – Home Culture, ao jornal Expresso. Em 2014, a QuartoSala teve lucros na ordem dos 900 mil euros, um ano depois de €2,25 milhões e em 2016 atingiu os €2,75 milhões.

 

A QuartoSala não se dedica apenas a projetos de decoração e design de interiores, tendo simultaneamente um showroom multimarca de mobiliário, iluminação e equipamentos para casa, representado em exclusivo várias marcas internacionais. No mercado português, a QuartoSala dedica-se a projetos em todas as áreas, de restaurantes a escritórios ou alojamento local. No caso do alojamento local, Pedro d’Orey explica que surgem projetos pontuais, para uma oferta topo de fama dirigida a estrangeiros que querem passar algum tempo no país, enquanto se decidem se compram ou não um imóvel.

 

Fonte: Expresso