Cada vez se vendem mais casas em planta em Portugal

Casas em planta
Posté par Inês ALMEIDA Il y a 2 Mois
Catégories :
Últimas Notícias

Comprar casas em planta em Portugal caiu em desuso com a crise

 

O setor imobiliário está mais forte do que nunca em Portugal e, por conseguinte, as casas vendem-se quase imediatamente após serem postas à venda. Nos últimos anos caiu em desuso vender casas em planta, mas essa tendência dá sinais de estar a retomar em força. Desde 2016, com a procura de casa a intensificar-se especialmente nas cidades de Lisboa e do Porto, voltaram a comprar-se casas em planta.

 

“Durante a crise deixou de se vender, o prédio fazia-se, estava à venda e ninguém comprava. Agora há quem veja um projeto a nascer e queira assegurar a compra, tanto para a construção nova como reabilitação”, afirma Manuel Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), que considera também que este fenómeno ainda só se sente praticamente nos centros das cidades de Lisboa e do Porto e em algumas zonas do Algarve.

 

Manuel Reis Campos julga que a procura se irá manter e que por isso haverá uma aposta maior na construção nos tempos mais próximos. Os dados da CPI revelam que o setor registou um crescimento de 24,7% nos primeiros nove meses de 2017 relativamente ao período homólogo.

 

O presidente da Associação dos Profissionais e das Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, adverte que se deve ter cuidado na compra de casas em planta, sobretudo em zonas onde não há muitos ativos disponíveis. “Até 2001 vendia-se quase tudo desta forma, mas isso pode ser perigoso. Basta ver o que aconteceu nessa altura, quando muita gente perdeu e já não recuperou o que tinha sinalizado em projetos que nunca avançaram”, explica, acrescentando que “é preciso ver se há risco de insucesso de operação e do promotor não acabar a obra ou se pode vir a verificar-se alguma perturbação do mercado”.

 

“Está de regresso esta modalidade de compra”, diz Patrícia Barão, diretora da área residencial da JLL, acrescentando que esta deverá continuar. “A confiança e credibilidade voltaram ao mercado nacional e o cliente, internacional e nacional, compra desta forma com todas as garantias de que o seu investimento não vai ser colocado em causa”, conclui.

 

Fonte: Expresso