Comprar casa no centro de Lisboa é cada vez mais dispendioso

Centro de Lisboa
Par Inês ALMEIDA Il y a 1 Mois
Catégories :
Últimas Notícias

“Este ritmo acentuado de subida, tendo em conta o patamar de preços entretanto atingido, tenderá naturalmente a suavizar”

 

Está cada vez mais caro – e difícil – comprar casa no centro histórico de Lisboa. O preço das casas na zona continua a subir, apesar de agora aumentar a um ritmo menor. Na última metade de 2017, os preços aumentaram 6%, atingindo os 4472 euros por metro quadrado (m2), um novo máximo. Isto significa que comprar uma casa de 100 m2 na zona histórica de Lisboa custa cerca de 450 mil euros.

 

Esta é uma das conclusões retiradas dos dados da Confidencial Imobiliário (Ci), que analisou a evolução do preço das casas nas freguesias da Misericórdia, Santa Maria Maria Maior e São Vicente, baseando-se nos dados dos direitos de preferência de que a Câmara Municipal de Lisboa goza no quadro da Área de Reabilitação Urbana.

 

De acordo com as previsões da Ci, os preços das casas situadas no centro histórico de Lisboa vão continuar a subir, embora a um ritmo mais baixo. Apesar disso, estima-se que vão continuar a bater recordes. O preço das habitações nesta zona da cidade aumentou 5,9% na segunda metade do ano passado em relação ao primeiro semestre, atingindo o valor de 4472 euros por m2, um novo máximo desde que o índice começou a ser produzido em 2008.

 

“O ciclo de valorização do preço das casas nesta área acelerou bastante nos últimos anos. Depois de os preços terem atingido o seu ponto mais baixo no primeiro semestre de 2013, o mercado teve um crescimento rápido nos preços, tendo chegado a atingir valorizações homólogas de 31% no primeiro semestre de 2016”, explica Ricardo Guimarães, diretor da Ci, em comunicado.

 

O director da Ci acrescenta ainda que “este ritmo acentuado de subida, tendo em conta o patamar de preços entretanto atingido, tenderá naturalmente a suavizar, embora mantendo um percurso de valorização, tal como aconteceu já neste último semestre”.

 

 

Fonte: Idealista