Crédito ao consumo supera os mil milhões em dois meses

Crédito ao Consumo
Par Inês ALMEIDA Il y a 8 mois
Catégories :
Últimas Notícias

Em janeiro e fevereiro deste ano foram disponibilizados mais de mil milhões de euros

 

Há cada vez mais portugueses a recorrer ao crédito ao consumo. Nos dois primeiros meses deste ano foi concedido um total de mil milhões de euros em créditos desta natureza, Este é um valor recorde. De acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal, em janeiro e fevereiro de 2018 foram disponibilizados 1136 milhões de euros em crédito ao consumo.

 

Em comparação, no ano passado foram emprestados 960 milhões de euros durante este período. O que significa que houve um aumento de 18% no valor total dos créditos ao consumo nos dois primeiros meses deste ano. Este é um novo recorde, pois até hoje não há registo da concessão de um valor tão alto neste período, sendo que os dados são registados desde 2013.

 

Para este aumento do crédito ao consumo contribui a recuperação económica do país, tal como a perspetiva financeira das famílias portuguesas. Na categoria de crédito ao consumo enquadram-se os empréstimos para a compra de carro e os outros créditos pessoais, que se podem destinar a compras para a casa ou a créditos para as férias, por exemplo.

 

Nos dois primeiros meses deste ano foram concedidos 454 milhões de euros em crédito automóvel, um valor 23% superior ao verificado no período homólogo do ano passado e 40% do total. Relativamente aos créditos pessoais, estes totalizaram 493 milhões de euros em empréstimos no mesmo período, o que corresponde a um aumento de 18% face ao verificado nos dois primeiros meses de 2017 e 43% do total.

 

O crédito automóvel e os créditos pessoais são responsáveis por cerca de 85% do total do crédito ao consumo disponibilizado. As restantes finalidades deste tipo de empréstimo também têm vindo a aumentar. Em cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto foram disponibilizados cerca de 180 milhões de euros em crédito, em janeiro e fevereiro. Este valor é 8% maior que o verificado em 2017.

 

 

Fonte: Expresso